STJD

15/02/2017 às 15:08 | STJD

STJD julga recurso de Grêmio e Atlético/MG

Créditos: Daniela Lameira / Site STJD

O Pleno do STJD do Futebol reformou parcialmente a pena aplicada ao Grêmio e reduziu a suspensão do atleta Erazo, do Atlético/MG, por infrações ocorridas na final da Copa do Brasil. Em recurso julgado na tarde desta quarta, dia 15 de fevereiro, o Grêmio teve a multa total de R$ 60,8 mil reduzida para R$ 53,8 mil, enquanto Erazo teve a agressão desclassificada para ato desleal ou hostil e a pena de quatro jogos reduzida pela metade. A decisão foi proferida por maioria dos votos

Denunciado pelo arremesso de uma bobina, uso de sinalizadores e a invasão de Carol Portaluppi na final da Copa BR, o Grêmio recebeu em primeira instância multas de R$ 800, R$ 10 mil e R$ 50 mil, respectivamente. Já Erazo, enquadrado por agredir o adversário Kannemann, recebeu quatro jogos de suspensão no artigo 254-A. Descontentes com a decisão os clubes recorreram e o processo chegou no Pleno, última instância nacional.

Diante do Pleno os Auditores assistiram as provas de vídeos juntadas no processo e , em seguida, as defesas fizeram uso da palavra.

Pelo Grêmio o advogado Marcelo Mendes sustentou o pedido de redução das multas recebidas. “O Grêmio há uma questão que está comprovada nos autos. A Carol estava credenciada para estar em campo e entendo que, por mais que se tenha em mente a reação do Sr Renato Gaúcho , lembro que o clube é que está em julgamento. Neste caso ela só adentrou em campo no momento de comemoração e no pódio. Não vejo uma infração disciplinar. A defesa entende também que o valor aplicado pelo uso de sinalizador foi elevado”, concluiu.

Lucas Ottoni, advogado do Atlético/MG, defendeu o pedido de desclassificação na conduta de Erazo e a redução da suspensão. “Se levarmos em consideração que a Copa do Brasil serão oito jogos para o Atlético/MG a pena de quatro jogos deixará o Erazo por metade do torneio. No Aurélio agressão consta como surrar, agredir e isso não houve... Ele não chuta ou pisa, mas simplesmente segura, imobiliza para acalmar o adversário. Meu pedido é para afastar a pena de quatro jogos que não é proporcional a conduta e desclassifiquem para o artigo 250 ou 258”.

Para o Procurador-geral Felipe Bevilacqua a Comissão Disciplinar decidiu muito bem com relação ao processo.

Com a palavra para proferir o voto, o Auditor Paulo César Salomão Filho adotou as mesmas razões da Comissão Disciplinar e deu parcial provimento ao recurso do Grêmio apenas quanto a multa de R$ 10 mil pelo uso de sinalizadores reduzindo para de R$ 3 mil, mantendo as demais. Quanto ao atleta votou para negar provimento e manter a pena de quatro partidas.

Segundo a votar o Auditor João Bosco Luz acompanhou na redução da multa ao Grêmio pelos sinalizadores, mas divergiu para absolver o clube gaúcho na denúncia por invasão de campo e para desclassificar a conduta do atleta Erazo para o artigo 250 com a aplicação de duas partidas por ato desleal ou hostil.

O Auditor José Perdiz acompanhou a divergência, enquanto o Auditor Antônio Vanderler acompanhou o relator na íntegra.

A Auditora Arlete Mesquita acompanhou o relator quanto o Grêmio e votou com a divergência quanto o atleta Erazo para aplicar dois jogos no artigo 250 do CBJD.

Ultimo a votar o Presidente Ronaldo Botelho Piacente justificou e, em seguida, acompanhou o voto do relator do processo.

Nossos patrocinadores